TV Jaguar

Postado em 02/12/2016 às 16:00:00

compartilhar

Lei da revisão salarial foi tema de debate na Câmara de Morada Nova.

Lei da revisão salarial foi tema de debate na Câmara de Morada Nova.

Na sexta-feira, 02 de dezembro de 2016, aconteceu no plenário vereador José Leandro da Silva, mais uma sessão ordinária do legislativo Moradanovense, sob a presidência do vereador Emanuel Everardo Maia.

Na mesma, ficou acordado a antecipação da sessão da sexta-feira, 16 de dezembro, para a quinta-feira dia 15, oportunidade em que a Secretária de Saúde do município, deverá fazer a prestação de contas do segundo quadrimestre de 2016.

Pronunciaram-se pelo tempo regimental de 5 minutos no pequeno expediente os vereadores, Jorge Brito e Jeovane Maia Barros.

Na abertura do grande expediente, foi convidado a fazer uso da tribuna, o vereador Claúdio Maroca, que falou do projeto de abastecimento do Aruaru, que levará água de qualidade às comunidades. Nesse tocante, o vereador chamou a atenção do próximo diretor do SAAE de Morada Nova, para a reestruturação do Sistema de Abastecimento. Segundo o vereador, a expectativa é que a adutora fique pronta nos próximos 30 dias. Claúdio ainda observou que os técnicos já estão ventilando a possibilidade de um inverno fraco em 2017, o que levará ao caos o abastecimento humano no município.

O vereador Jorge Brito comentou sobre a lei da revisão salarial, e data base para o pagamento dos servidores municipais, sendo que a mesma não vem sendo cumprida pelo executivo, e deixou no ar questionamentos a respeito das contratações de terceirizados e da escolha de prioridades financeiras por parte do município, que rasga e põe no lixo uma lei criada pelo próprio executivo municipal.

Aparteado pelo colega Dr. Nacélio, que exaltou a crise financeira nacional, Jorge observou que em Morada Nova existe recursos para garantir os empregos políticos, mas não tem dinheiro para reajustar os salários dos servidores. Mudando de assunto, o vereador comentou sobre os projetos de lei do executivo solicitando autorização para realizar três parcelamentos de dívida, o que já tinha se comprometido a não fazer.

O vereador Jose Edner, enalteceu o pronunciamento do colega Roberto Meneses, quando este faz referências a COGERH, que não tem como prioridade concluir a adutora do Aruarú e fazer as alterações necessárias. Mudando de assunto, Edinho debateu com os colegas que o apartearam, a questão financeira que passa a prefeitura de Morada Nova, e a dívida do Instituto de Presidência Municipal (IPREM), que não é culpa apenas do atual gestor, mas de boa parte dos prefeitos que passaram, inclusive Wanderlei Nogueira que deixou de pagar a previdência nos meses que passou a frente da gestão municipal.

O vereador Jeovane Barros, reclamou sobre os alardes feito pela imprensa opositora e vereadores que chegaram a comentar que o prefeito Glauber seria preso por corrupção, observando que o feitiço virou contra o feiticeiro, pois o prefeito de 5 meses, Wanderlei Nogueira, comprou um terreno em Limoeiro do Norte por R$ 200.000,00 (duzentos mil reais), sendo que o mesmo foi avaliado poucos dias depois pelos técnicos do Banco do Nordeste, no valor de mais de R$ 13.000.000,00 (treze milhões de reais) para possibilitar um empréstimo milionário ao empresário, e que por esse motivo, a Polícia Federal bate a porta do político e empresário Wanderlei Nogueira para investigar esquema de empréstimo envolvendo também um Deputado Federal do partido dos trabalhadores.

 

 

Fonte: Tv Jaguar / Arnaldo Freitas

Comentários 1

Para comentar o internauta precisa está cadastrado e logado.

LOGAR CADASTRAR

“Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.”

Mais um vez nosso administração rasga a lei municipal que trata da revisão salarial do servidor em sua data base que seria no mês de agosto. Para que se tem leis e a todo instante os poderes passam por cima d elas e não acontece nada deixando para outra gestão o problema que ele mesmo criou.

Por JORGE DEMETRIO DE BRITO FILHO em 19/12/2016 às 09:28:44

Veja também