TV Jaguar

Postado em 07/01/2017 às 16:00:00

compartilhar

Limoeiro do Norte - Cidade do encontro no e com o mundo da “a voz da cidade” aos Megabytes da Tv Jaguar.

Limoeiro do Norte - Cidade do encontro no e com o mundo da “a voz da cidade”  aos Megabytes da Tv Jaguar.

“A VOZ DA CIDADE” era o Serviço de Alto-falantes em Limoeiro do Norte, quando aqui cheguei com nove (09) anos de idade em 1947. Das 19 às 21 H, o povo especialmente jovem, em “footing” ou “corso”, se comunicava na única praça da Matriz. E lá no Palácio Episcopal, onde eu também morava, Dom Aureliano Matos era “convidado” a “repousar” escutando as melodias românticas da pré-era James Dean, Beatles e Jovem Guarda.

O estúdio da “VOZ” foi primeiro ao lado do “Cine Brasil”, hoje NIT (“Núcleo de Informação Tecnológica”), iniciativa do limoeirense Francisco Ariosto Holanda, meu colega do Exame de Admissão ao Ginásio Diocesano Padre Anchieta, em 1949. Este estúdio foi transferido pera o armazém contíguo à casa de Dona Jesus esposa de João Gonçalves, ao lado da velha casa em ruínas dos meus bisavós, Joaquim José de Oliveira e Rosa Correia Lima. Por fim a VOZ ecoou dos altos do prédio de Pedro Celestino de Freitas, ao lado dos Correios e Telégrafos. Meu primo legítimo, Gerardo Lucena de Oliveira, era o proprietário, que transformou a mesma “Irradiadora” no embrião da “Rádio Vale do Jaguaribe”. Esta teve seu primeiro estúdio nos altos do Prédio do Cine Capri, situado na esquina da Avenida Coronel Serafim Chaves com a rua Coronel Malveira, a primeira e principal rua da cidade denominada Rua do Município, quando ainda não tinham sido abertas a Avenida Dom Aureliano e a Rua Coronel Antônio Joaquim.

O “Cine Capri” foi a última e moderna sala da arte cinematográfica, que fez dos limoeirenses cinéfilos como eu, abrindo as portas para a cultura do som e imagem. Lembre-se aqui o Raimundo de Janjão. Antes, a sala do cinema ainda mudo funcionava no “Cine Moderno”, ali também na Serafim Chaves, esquina com “o beco” da família Chaves, que ligava a Praça da Matriz Catedral com a Praça do Palácio Episcopal, na Rua (Avenida)Padre Acelino Viana Arraes.O prédio do Cine Moderno, da firma Oliveira Irmãos, salão dos históricos eventos limoeirenses, foi demolido para dar espaço a uma Loja de sapatos. Este cinema veio depois a funcionar na antiga residência do mesmo padre Acelino Viana Arraes, hoje NIT. O porteiro do cinema era Francisco Saldanha Lucena, pai do Juiz Federal, meu primo José Maria de Oliveira Lucena.

A VOZ DA CIDADE e a pioneira RADIO VALE DO JAGUARIBE ampliaram a veiculação radiofônica da história e a cultura da Princesa do Vale. E nem se e olvide aqui a RÁDIO EDUCADORA JAGUARIBANA nesta área da comunicação da vida cultural e religiosa dos limoeirenses. Houve também, como dissemos, o feliz casamento da voz e da imagem mediante o cinema. Entretanto, as imagens veiculadas pelos Cines: Moderno, Brasil e Capri eram imagens importadas. Nessa veiculação à distância da cultura som-imagem, registre-se com certeza a chegada por volta de 1966 da Televisão, abrindo nossa cidade para uma nova era das comunicações além-fronteiras urbanas e municipais. Fiquei tocado pela presença de um aparelho de TV na Praça José Osterne, pois eu tinha sabido o que era televisão em 1960, somente aos 22 anos ao embarcar no Rio de janeiro no navio Ana C para Roma. Refira-se, por oportuno, falando da comunicação do Limoeiro com o mundo, que o antigo serviço telefônico a bateria de Fortaleza foi instalado na cidade como a primeira do interior a possuí-lo já na década dos anos 30.

Finalmente, o progresso das comunicações mediante A VOZ DA CIDADE CASADA COM OS CINEMAS, AS RÁDIODIFUSORAS e TELEFONE, veículos da mídia adolescente, há poucos anos nos levou à nossa jovem e criativa TV E PORTAL JAGUAR, preciosa abertura dos limoeirenses para o mundo. Doravante, Limoeiro do Norte não recebe mais somente imagem som de fora para dentro de suas paredes, mas entrou de cheio e com raça na novíssima era da cibernética. E desde, então, tornou-se verdade verdadeira o pregão do radialista José Nilson Osterne de Oliveira: “Com 5 KWS na antena, não há distância que nos separe”.

Podemos, então, plagiar e propalar até o Japão: “Com os Megabytes” do PORTAL e TV JAGUAR do inteligente, corajoso e jovem empreendedor Flávio Costa, não há distância que isole Limoeiro do Norte do Município, da Região, do Ceara, do Nordeste, do Brasil e do Mundo”. E ressalte-se que isto acontece pelos caminhos seguros da VERDADE QUE LIBERTA.

A verdade que liberta revela-se na questão fundamental e estruturante colocada pelo Papa Francisco na mensagem do 48.º Dia Mundial das Comunicações, na Festa da Ascensão, dia 01 de junho de 2014: Como pode a comunicação estar a serviço de uma autêntica cultura do encontro?. Não basta refletir sobre as diversas possibilidades que as novas tecnologias da informação oferecem à comunicação e ao “encontro” com inúmeras pessoas do mundo todo.

Não é suficiente refletir sobre a incoerência da sociedade em rede que nos aproxima do distante e nos distancia do próximo. Não basta “circular pelas estradas digitais” e “ver” as pessoas. É preciso “sentir com”, “criar com”, partilhar mais que palavras e imagens bonitas e pré-elaboradas. É preciso envolver-se, comprometer-se, como o bom samaritano do Evangelho.

Assim sendo, nós, limoeirenses, através do PORTAL e TV JAGUAR, estamos de parabéns, por que somos de fato cidadãos do universo que buscam a PAZ mediante o ENCONTRO de pessoas humanas, que Jesus Cristo transformou em irmãs e irmãos, filhas e filhos do mesmo Pai do céu e portadores do Espírito Santo do amor.

Por: Monsenhor João Olímpio Castello Branco

 

 

Fonte: Tv Jaguar

Comentários 0

Para comentar o internauta precisa está cadastrado e logado.

LOGAR CADASTRAR

“Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.”

Veja também