TV Jaguar

Postado em 07/02/2018 às 06:00:00

compartilhar

Licitação irregular em Alto Santo é impugnada pelo Ministério Público do Estado.

Licitação irregular em Alto Santo é impugnada pelo Ministério Público do Estado.

Certame que visava a contratação de pessoa jurídica para fornecimento de alimentos possuía exigência que restringiu a ampla participação. 

Uma recomendação expedida pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) nesta terça-feira (6), por meio do promotor de Justiça da Comarca de Alto Santo, Alan Moitinho Ferraz, impediu uma licitação que seria realizada no município, visando a contratação de pessoa jurídica para fornecimento de alimentos destinados à merenda escolar. 

Segundo o MPCE, o certame possuía uma exigência que só poderia ser cumprida pela empresa vencedora, o que restringiu a ampla participação.

A prefeita de Alto Santo, Iris Gadêlha Costa (PSB), no entanto, garante que não há um licitante vencedor porque o concurso nem mesmo existiu. "Eu acatei a impugnação assim que o promotor chegou.

Meu secretário (de educação) depois se reuniu por cerca de duas horas com ele", relatou. De acordo com o promotor Alan Moitinho Ferraz, a licitação, que visa atender à demanda do Programa Nacional de Merenda Escolar (PNAE), no âmbito da Secretaria de Educação, Esporte, Ciência e Tecnologia do município de Alto Santo, exigia "certificado de ficha técnica nutricional" para todos os participantes no certame, o que só deveria ser atendido pelo licitante vencedor.

"Os produtos a serem adquiridos pela administração deverão sim possuir um mínimo de qualidade aferível, em prol da saúde dos usuários, abrangendo também os veículos que transportarão os alimentos.

O que não se reconhece, no entanto, é a exigência de certificado de ficha técnica nutricional, por se tratar de uma exigência que extrapola os limites impostos pela Lei federal nº 8.666/1993", ressaltou o promotor. Iris Gadelha Costa garante que o edital da licitação foi previamente trabalhado ao encontro do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.
“Obedecemos todos os parâmetros desse Fundo para a questão da alimentação”. Nada foi feito incompatível com ele. Toda a questão higiênica foi respeitada.

“O ministro da educação (Mendonça Filho) inclusive nos parabenizou pelo cuidado”, destacou. A licitação também exigia assinatura das propostas por profissional de nutrição, o que, segundo o MPCE, não está de acordo com a legislação vigente.
"O registro no Conselho Regional de Nutricionistas somente deve ser exigido quando houver o preparo de alimentos.

A simples compra de alimentos ou cestas básicas não reclama a exigência de registro do licitante ou do vencedor da licitação", conclui o promotor.

 

 

Fonte: Tv Jaguar / Diário do Nordeste

Comentários 0

Para comentar o internauta precisa está cadastrado e logado.

LOGAR CADASTRAR

“Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.”

Veja também