TV Jaguar

Postado em 03/04/2018 às 08:00:00

compartilhar

Situação dos reservatórios no Ceara preocupa produtores rurais e autoridades

Situação dos reservatórios no Ceara preocupa produtores rurais e autoridades

É comprovado por todos que nos últimos dias de março bem como nestes primeiros dias de abril, verdadeiras chuvas torrenciais tem banhado as cidades do médio e baixo Jaguaribe, o que iniciou na terça feira da semana santa (27 de março), já considerados por muitos agricultores como a retomada de um grande inverno, que continuando como esta é também a garantia de boa safra e pasto para o rebanho comer durante o verão.

Mais o que vem preocupando os especialistas, o governo do estado e os empresários do ramo da fruticultura irrigada, são os números registrados pelo monitoramento diário da Fundação Cearense de Meteorologia e Estatísticas (Funceme), relativo a tomada de água e o nível dos principais açudes do Ceará, que são o Açude Padre Cicero (Castanhão, na cidade Alto Santo), O Açude de Orós ou Açude Presidente Juscelino Kubitschek e o Açude Banabuiú ou, oficialmente, Arrojado Lisboa.

O certo é que para garantir o retorno dos anos de crescimento econômico com base nos empreendimentos rurais tais como gado leiteiro, produção de grãos e exportação de frutos tropicais, é necessário que os reservatórios chegue aos meses de verão com uma quantia razoável de água estocadas, garantindo assim o funcionamento sem risco de falta água, nos perímetros irrigados Jaguaribe Apodi, perímetro irrigado Limoeiro Morada Nova, e o Distrito irrigado do Tabuleiro de Russas (o maior celeiro de produção agrícola do Ceará).

Fato é que a situação dos reservatórios é preocupante, pois entrando no quarto mês do primeiro semestre do ano, que é o período das chuvas na região Jaguaribana e Cariri Cearense, o Banabuiú o terceiro maior de Ceara, ainda esta com apenas 0,44% da capacidade, e quase não recebeu água das chuvas. No Orós, segundo maior do estado conta com apenas 6,30% de sua capacidade, e o açude do Castanhão que deveria representar a independência hídrica do Ceará conta com apenas 3,91%.

Mesmo sem perder as esperanças de uma quadra de boas chuvas, o homem do campo assim como as autoridades se preocupa a ocorrência do fenômeno chamado de SECA VERDE, onde ocorrem chuvas espaçosas, suficiente para crescer a pastagem, mais insuficiente para encher os açudes e lagoas, o que acarreta novamente em dificuldades para transpor o verão. Com fé em Deus e no santo padroeiro, o sertanejo espera que as chuvas de abril e maio sejam tão boas quanto as do final de março, e que atinjam as represas dos açudes garantindo alimento, trabalho e o sustento do homem do campo no campo.

 

 

Fonte: Tv Jaguar/ Arnaldo Freitas

Comentários 0

Para comentar o internauta precisa está cadastrado e logado.

LOGAR CADASTRAR

“Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.”

Veja também